VLT do Rio de Janeiro fabricado pela Alstom recebe os atletas dos Jogos Paralímpicos Rio 2016

O VLT produzido pela Alstom recebeu os atletas Paralímpicos que vão competir nos Jogos do Rio entre os dias 7 e 18 de setembro de 2016. A linha de VLT, que foi inaugurada em 5 de junho, a tempo para o início dos Jogos Olímpicos, provou ser o meio de transporte urbano mais confortável e acessível.

O VLT modelo Citadis tem 44 metros de comprimento e pode transportar até 420 passageiros por vez, e até 200.000 passageiros por dia. O Citadis tem piso baixo e portas grandes e áreas dedicadas a passageiros em cadeiras de rodas, tornando-o acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Depois de viajar a bordo do veículo, o brasileiro Jovane Guissone, medalhista de ouro nos Jogos Paralímpicos Londres 2012 em esgrima em cadeira de rodas, declarou: "É bom que haja pouco espaço entre o trem e a plataforma, para que não haja risco de quedas. O espaço para a cadeira também é muito bom".

A rede de VLT do Rio consiste em três linhas que percorrem mais de 28 quilômetros, com 31 estações. 14 km que conectam o aeroporto Santos Dumont, a Parada dos Museus e a Rodoviária já foram inaugurados, e o restante da linha será inaugurado em 2017.

O projeto do VLT – que foi iniciado pela prefeitura do Rio para modernizar a zona portuária – foi concedido à Alstom pelo consórcio VLT Carioca em setembro de 2013.

A Alstom é responsável por fornecer um sistema totalmente integrado, que inclui: 32 VLTs Citadis, eletrificação, sistemas de sinalização, telecomunicações e depósito.

Para preservar e restaurar a arquitetura autêntica do Rio, o VLT Carioca optou pela solução de energia sem catenárias da Alstom, que combina duas tecnologias inovadoras: o APS, que fornece energia através de um terceiro trilho no solo, e Supercapacitores, módulos instalados no teto do veículo que armazenam e regeneram energia.